ÍNDIA TIKUNA WÊ'E'ÊNA MIGUEL

ÍNDIA TIKUNA WÊ'E'ÊNA MIGUEL

sábado, 20 de agosto de 2011

FOTOS DA POSSE À PRESIDENCIA NACIONAL DAS MULHERES INDÍGENAS- PELA LIBRA EM 09/08/2010







3 comentários:

  1. Eu apoio as mulheres indígenas na luta pelos seus direitos. Desejo sucesso a todas as mulheres guerreiras do Brasil! Seus valores já são reconhecidos, só faltam ser sacramentados pela lei brasileira, e com toda essa garra, a vitória virá com certeza!!! Parabéns!
    Samuka Racer

    ResponderExcluir
  2. Olá !!! Boa tarde, que bom encontrar uma página de pessoas Indígenas minhas parentes! Parabéns Tikuna, tá bem elaborado.

    ResponderExcluir
  3. Lindo trabalho parente We'e'na Ticuna!! Isso é que é vida!

    Mas acho que as nossas mulheres nativas que mais sofrem são ainda as que estão morando nas favelas das grandes, médias e pequenas cidades,nas periferias, nos lixões, nos cortiços e principalmente as misturadas, mestiças, miscigenadas, caboclas, etc; que não estão em seus territórios sagrados pela inversão colonial e perversa do mundo. Quando as pessoas passarem a reconhecer que temos hoje indígenas (nativas) com a cara do Bob Dylan, Lauryn Hill, Erycah Badu, Senead O'connor (ai que lindxs) enfim lavando banheiros, cozinhando dentro das casas das classes médias e altas, construindo casas, etc; que não sabem sequer suas etnias ou respectivos povos (não porque não querem saber mas é por ser ignorado por tudo e todxs para contribuir com essa cegueira e desmantelo nativo) e não estão dentro de uma organização nativa pelo violento impacto colonial imposto durante esses quinhentos anos cristãos impositivos de mundo é que podemos enfim dizer que realmente estão contemplando todos os povos nativos (indígenas) misturadas(os) ou não e não somente os que ainda mantem seus modos tradicionais de vida (ai que inveja). Quando ao invés de somente olharmos para as florestas como se só lá existissem povos nativos e passarmos a olhar nas esquinas, nas favelas, nas construções civis, nas periferias, nos serviços subalternos rurais ou citadinos, no nosso cotidiano dia-a-dia-lado-a-lado-olho-no-olho-dente-no dente-tete-a-tete-teta-a-teta ao invés de desprezarmos como seres inferiores fora de lugar no máximo vindos do Paraguay sem-lugar, voz e vez na burocracia-estatal-mercadológica-científica-cristã de última palavra em relação ao que vem a ser os povos nativos hoje. Quando ao invés de olharmos somente para o fenótipo(aparência) ou genótipo (genes) e olharmos mais para como são produzidas as nossas subjetividades às avessas (e por isso a negação de muitas(os) indígenas com a aparência que está no imaginário social olhos puxados, cabelos lisos, etc; negarem serem indígenas) é que enxergaremos que os povos nativos não estão mais somente com cara de nativxs-negrxs-brancxs-amarelxs-transparentes-(in)visíveis. ESTAMOS MAIS QUE ARCO-ÍRIS!!! Ao lado de todo mundo (mas essxs o mundo se nega a ver pois são essxs que estão sofrendo cotidianamente as dores produzidas pelos fascismos dessa uni-versão de mundo anti-indígenas que vem tanto dxs pessoas ditxs poderosxs quanto de pessoas ditxs humildes) !!!

    Marleide Quixelôs e as mais as muito mais de mil e duzentas versões de mundo de povos nativos só nisso que chamam brasil. Ignoradas e vilipendiadas por esses séculos de colonização!!

    ResponderExcluir